DOR CRÔNICA: COMO EU TRATO PARA EVITAR A HIPER MEDICALIZAÇÃO E SEUS EFEITOS COLATERAIS

Convencionou-se a escalonar as dores por sua intensidade e a partir daí definir a medicação antiálgica de leve a intensa passando pela moderada.
Estabelecendo um tratamento desta forma , o paciente se torna um usuário crônico de medicamentos e sujeito a todos os seus efeitos colaterais.
Além disso, essa conduta, que muitas vezes, consegue abolir a dor afasta o paciente da possibilidade de curar os fatores que causaram a dor, piorando este processo e dependendo cada vez mais de medicação para dor até o momento que mesmo uma medicação muito forte não é suficiente para resolver e o paciente ainda apresenta, muitas vezes, mais problemas pelo uso da medicação do que pela própria doença.
O uso de medicação para dor já é uma causa muito comum de mortes e muitas vezes o paciente nem consegue perceber essa ligação.
É urgente a necessita de rever o tratamento da dor crônica., usar anti-inflamatórios, relaxantes musculares, anticonvulsivantes, imunossupressores e opioides não parece a melhor escolha.